Slide 1 Slide 2 Slide 3 Slide 4 Slide 5
|

ATM



O que é ATM?

ATM é a abreviatura de "Articulação TemporoMandibular". Essa articulação situa-se logo à frente do ouvido e é responsável pelos movimentos executados pela mandíbula.

Qual é a principal característica de um paciente que tem problemas de ATM?

O principal indicativo de uma alteração na ATM é o estalido (clique), normalmente acompanhado de dor que se manifesta na cabeça, face, pescoço, olhos e dentes. A ausência de dor não é sinal de normalidade. O estalido (clique), por si só, já traduz problemas nas ATMs.

Quais as principais causas dos problemas de ATMs?

Toda e qualquer doença necessita de mais de um fator para a sua ocorrência. O fator principal deve ser acompanhado dos fatores que contribuem, modificam ou perpetuam a doença. No caso da disfunção das ATMs, acredita-se que o fator principal seja a maloclusão (relacionamento inadequado entre os dentes da maxila e mandíbula), sendo o "stress", os hábitos parafuncionais e algumas doenças sistêmicas ou hormonais capazes de contribuir, modificar ou perpetuar o seu aparecimento. Contudo, sabe-se que a ordem dos fatores principais e secundários pode alterar-se, havendo diferentes pesos no julgamento de quem é o agente iniciador da disfunção.

Por que acontece o estalido (clique) nas ATMs?

Entre as faces articulares dos ossos que compõem as ATMs (osso temporal e côndilo da mandíbula), existe uma estrutura fibrocartilaginosa chamada disco articular, cujas principais funções são amortecer e amoldar as superfícies ósseas incongruentes da articulação, evitando traumas e desgastes prematuros.

Quando o disco articular se desloca de sua posição fisiológica, acontece o estalido (clique), notado nos movimentos mandibulares, tais como: falar, mastigar, cantar, bocejar etc.

Por que o problema de ATM pode causar dor de cabeça?

As dores de cabeça provenientes das disfunções de ATM, em geral, não são propriamente de cabeça: são dores nos músculos que envolvem a cabeça. Posições posturais viciosas, relacionamento dental inadequado, apertamento e/ou ranger de dentes, associados ao "stress", normalmente culminam em quadros crônicos de dores nos músculos da face, da cabeça e do pescoço.

Por que o problema de ATM pode causar dor de ouvido?

A proximidade entre a ATM e o ouvido pode ocasionalmente confundir o paciente sobre o local de origem da dor. Na realidade, a dor de ouvido é diferente da dor de ATM. Como diagnóstico diferencial, as disfunções das ATMs não manifestam febre, não eliminam secreção pelos ouvidos e não são acompanhadas por quadros infecciosos das vias aéreas superiores.

Existe relação entre dentes e ATM?

Sim. O "encaixe dental" (oclusão) é responsável pela posição do côndilo (cabeça da mandíbula) dentro da articulação. Ocluir os dentes mais para a frente, para trás ou para os lados traz conseqüências para as ATMs. O ideal é que a oclusão tenha um relacionamento adequado, para manter côndilo e disco articular harmônicos e bem posicionados entre si, a fim de que a articulação seja saudável.

Qual é o tratamento indicado?

Promover uma oclusão dentária que permita um bom relacionamento entre as estruturas da ATM e remover os fatores que possam estar associados ao problema.

Quais são as conseqüências do não-tratamento?

A disfunção temporomandibular é uma doença que, depois de instalada, é quase sempre progressiva. O que não se consegue determinar com exatidão é a sua velocidade de progressão e as suas conseqüências. Portanto, o ideal é o tratamento precoce, que certamente proporciona melhores soluções e resultados.
Leia mais...
|

Bebidas e alimentos ácidos causam erosão dentária


O que é erosão dentária?

A erosão dentária é outra doença que, além da cárie, compromete a saúde bucal. No entanto, até pouco tempo atrás essa alteração não havia despertado o interesse dos clínicos e pesquisadores.

A erosão dentária é um processo progressivo e destrutivo, caracterizado pela perda do tecido duro dos dentes, por ação de ácidos contidos em bebidas e/ou alimentos ou ainda provenientes do próprio organismo.

Resulta na destruição do dente, independentemente da presença de bactérias, podendo causar alterações estéticas e funcionais ou até mesmo dor.

De que maneira a erosão dentária pode acontecer?

A ingestão de produtos altamente ácidos, tais como refrigerantes, bebidas energéticas e sucos de frutas naturais ou industrializados, é a causa mais freqüente da erosão dentária. Por isso, pode-se dizer que erosão dentária é o problema de saúde bucal da sociedade moderna, decorrente de seus hábitos alimentares.

Saliente-se que a erosão é resultado do contato freqüente do ácido de alimentos e/ou bebidas com a superfície dentária. Assim, para a erosão dentária ocorrer e evoluir, a freqüência de ingestão de produtos ácidos é mais importante do que a sua quantidade. Colocar até mesmo frutas ácidas no cardápio de forma freqüente também não é recomendável.

Qualquer pessoa pode ter erosão dentária?

A erosão é comum em crianças e adolescentes, podendo acometer adultos. Nas crianças, a erosão surge após a administração freqüente de refrigerantes e/ou sucos de frutas naturais ou industrializados, através da mamadeira (que aumenta o tempo de contato da bebida com o dente) e/ou copo. Nos adolescentes, é resultado da ingestão excessiva de refrigerantes ou bebidas energéticas que, na maioria das vezes, são utilizados para substituir água, com o objetivo de diminuir a sede. Além disso, esportistas que ingerem excesso de bebidas energéticas (isotônicas) para repor água e eletrólitos perdidos durante as atividades esportivas podem apresentar erosão dentária. É importante ressaltar que essas bebidas, tanto sob a forma normal, diet ou light são altamente ácidas e podem causar erosão dentária.

Além dos indivíduos que têm ingestão inadequada de alimentos e bebidas ácidas, outros grupos apresentam alto risco de desenvolvimento da erosão. Trabalhadores que manuseiam produtos ácidos podem apresentar erosão, pois eles inalam a substância que está no ar. E pessoas que vomitam freqüentemente também podem apresentar dentes com erosão, pois o suco gástrico que volta para a boca é muito ácido. Desta forma, atenção especial deve ser dada ao refluxo gastroesofágico e à anorexia e bulimia nervosas.

Quais as precauções para evitar a erosão dentária?

Como a erosão é causada principalmente pelo contato direto de bebidas ou alimentos ácidos com o dente, a melhor forma de preveni-la é evitar o uso freqüente desses produtos e procurar ingeri-los fazendo uso de “canudinho”. Outro recurso seria a ingestão de produtos ácidos, juntamente com a ingestão de alimentos ricos em cálcio, como o queijo, para neutralizar a acidez. Também é importante encaminhar ao médico os indivíduos que apresentam vômitos freqüentes, para solucionar o problema.

Existe tratamento para erosão dentária?

O diagnóstico precoce acompanhado do aconselhamento da dieta e o monitoramento ajudam a tratar de forma bem sucedida e prevenir a progressão da erosão dentária. O tratamento restaurador é difícil, oneroso e requer contínuo acompanhamento. Assim, o controle racional do consumo de alimentos com altos índices ácidos será essencial desde a infância.


REFERÊNCIAS

1.     Loon JPV, Bont LGM, Boering G. Evoluation of temporomandibular joint prosthesis: Review of the literature from 1946 to 1994 and implications for future prosthesis designs. J.Oral Maxillofac Surg 1995;53(9):984-96.
2.     Thompson FR. Vitallium hip prosthesis.N Y State J Med. 1952;52(24):3011-20.
3.     Brånemark PI, Hansson HA, Adell R. Osseointegrated implants in the treatment of the edentuous jaw: experience from a ten-years period. Scan J Plast Reconstr Surg 1977;11(1).
4.     Mercury LG,Anspach III WE. Principles for the 13 revision of total TMJ prostheses. Int.J. Oral Maxillofac Surg 2003;32:353-9.
5.     Wolford LM, Dingwerth DJ, Talwar RM, Pitta MC. Comparison of 2 Temporomandibular Joint Total Joint Prosthesis System. J Oral Maxillofac Surg 2003; 61:685-90.
Mercuri LG.Evoluation of temporomandibular joint prosthesis: Review of the literature from 1946 to 1994 and implications for future prosthesis designs. J Oral Maxillofac Surg 1995;53(9):984-96. Discussion. 
Leia mais...
|

Hipersensibilidade Dentinária



O que é hipersensibilidade (hiperestesia) dentinária?

É a dor que ocorre, geralmente na região do colo do dente, próxima à gengiva, provocada pela escovação, ingestão de alimentos frios, doces, frutas cítricas etc. A dor cessa assim que o estímulo é removido, é de curta duração, tendendo a desaparecer com a mesma rapidez com que se inicia. Assim, a hipersensibilidade nunca começa espontaneamente como acontece comumente com outras causas de dor nos dentes. Entretanto, a distinção entre hipersensibilidade e dor de dente deve ser feita pelo dentista.

A hipersensibilidade significa que a polpa dental (o “nervo” do dente) está doente? 

Não, já que a dor é decorrente de mudanças de pressão dentro do dente, provocadas pela variação da temperatura ou por outros estímulos na superfície. Não tem relação com alterações patológicas da polpa dental.

Então, por que o dente dói? 

Em condições normais, a coroa do dente (a parte exposta na cavidade bucal) é recoberta pelo esmalte, estrutura resistente às pressões e ao desgaste decorrentes da mastigação (Figura 1). Essa estrutura é praticamente impermeável e definitivamente insensível aos estímulos. As raízes são recobertas por outro tipo de estrutura, denominada cemento. Com o passar do tempo, esmalte e cemento sofrem degradações (Figura 2) que expõem a dentina, estrutura também dura e resistente e que abriga a polpa dental. Dessas estruturas, somente a dentina apresenta sensibilidade. A dentina é bastante permeável, constituída de milhões de canais microscópicos (Figura 1) que, em teoria, ligam a polpa com meio externo quando o esmalte ou o cemento são desgastados. Sem o cemento e o esmalte, a dentina fica sem proteção e sujeita às agressões do meio externo.

Qual a relação da hipersensibilidade dentinária com as lesões cervicais não cariosas?

A hipersensibilidade dentinária ocorre mais comumente na região cervical do dente (colo), onde o esmalte e o cemento são degradados com maior freqüência, expondo a dentina. Quando essa exposição dentinária não é provocada por processo de cárie dental, a área exposta é considerada uma lesão cervical não cariosa (Figura 2). A prevalência dessas lesões é alta, e pode-se antecipar que, em algum momento da vida, qualquer indivíduo poderá ter, pelo menos, um dente com lesão cervical não cariosa.

Quais as causas mais comuns de lesões cervicais não cariosas?

Essas lesões são resultado de uma interação de fatores, em que os mais importantes são a oclusão (contato entre os dentes antagonistas), a alimentação rica em ácidos (frutas cítricas e refrigerantes em excesso, por exemplo) e a escovação dental. A oclusão promove a fadiga das estruturas dentárias na região do colo, as substâncias ácidas causam a dissolução do esmalte e a escovação remove mecanicamente o esmalte enfraquecido ou dissolvido. Fatores sistêmicos também podem contribuir para a degradação das estruturas dentárias, tais como refluxo gastroesofágico, bulimia, hipertireoidismo e qualquer outra doença que reduza o fluxo salivar.

Como tratar a hipersensibilidade dentinária?

O dentista deve empregar os recursos dessensibilizadores (o que pode incluir a restauração das lesões e ajustes oclusais) para reduzir o desconforto imediato da dor e, complementarmente, eliminar as causas da exposição dentinária para impedir a recorrência da hiperestesia.


Leia mais...
|

Tratamento ortodôntico em pacientes com problemas periodontais



Meus dentes estão com mobilidade e mudando de posição rapidamente. Vários espaços estão aparecendo entre eles. Por que isso acontece?


Pequenas alterações no posicionamento dos dentes ocorrem durante toda a vida, sendo que as mais freqüentes são as rotações dentárias, a abertura de espaço entre os dentes e o apinhamento, principalmente no arco inferior. Esse processo, porém, é lento, mas a mudança rápida do posicionamento dentário pode ser decorrente de perdas dentárias ou processos patológicos como a doença periodontal, que pode ocorrer em indivíduos de qualquer idade, desde a adolescência. 

Quais os sintomas dessa doença e como ela é causada?


Os sintomas primários da doença periodontal são o sangramento gengival durante a escovação e/ou mastigação, podendo aparecer também, conforme o processo patológico evolui, pus e mobilidade dentária. A causa da doença periodontal é multifatorial, ou seja, vários fatores contribuem para o seu aparecimento: má higiene, presença de placa bacteriana, fatores hereditários e baixa resistência imunológica.

Quais as conseqüências dessa doença?


A conseqüência mais grave é a perda óssea, minando o suporte dentário e, conseqüentemente, provocando mobilidade. A longo prazo, se a doença não for tratada, os dentes são perdidos.

É possível reposicionar os dentes com aparelhos ortodônticos quando se tem doença periodontal?

Sim, é possível, desde que alguns cuidados adicionais sejam tomados. No pedido da documentação ortodôntica, as radiografias periapicais da boca toda constituem o item de diagnóstico mais importante. Antes de qualquer intervenção ortodôntica, o paciente deve ser encaminhado ao periodontista para que sejam realizadas instrução de higiene, raspagem e curetagem gengival e, em determinados casos, até alguma intervenção cirúrgica. Feito isso, o tratamento ortodôntico poderá ter início, sendo que o paciente deverá realizar controles no periodontista em intervalos regulares de 3 a 4 meses durante o tratamento.

O movimento ortodôntico poderá causar maior perda óssea?

Não, desde que osso e gengiva sejam mantidos com saúde. O osso presente responde da mesma forma que em pacientes normais. Daí o controle periódico por parte do periodontista ser tão importante. Se for negligenciado esse aspecto e houver presença de inflamação durante a movimentação ortodôntica, aí então o processo de perda óssea será agravado.

Então não existem limitações nessa modalidade de tratamento?

Existem. Apesar de não ocorrerem perdas ósseas adicionais, o fato de apresentar suporte ósseo reduzido provoca sobrecarga de força no ápice da raiz durante a movimentação, predispondo o dente à reabsorção do ápice radicular. Para reduzir esses efeitos indesejados devem ser usadas forças leves na movimentação, deve-se aumentar o intervalo entre as ativações e evitar grandes movimentos de corpo, que ocorrem principalmente nos casos em que são planejadas extrações com futuro fechamento dos espaços.

Ao final do tratamento ortodôntico será necessário algum outro aparelho para estabilizar os resultados?

Sim, ao final do tratamento ortodôntico freqüentemente se usa um aparelho removível superior e um fio colado aos caninos inferiores. No caso de pacientes que apresentam perdas ósseas, essas contenções deverão ser permanentes, ou seja, para a vida toda, e os controles periódicos no periodontista devem continuar indefinidamente, pois a possibilidade de recorrência da doença permanece e pode ser evitada com esses cuidados. 
  
Leia mais...
|

Laser é o mais novo instrumento de combate à dor


O laser é o mais novo instrumento de combate à dor. Em sua dissertação de mestrado, Renata Campi, da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP) da USP, demonstrou que a aplicação de laser de baixa intensidade tem efeitos positivos na diminuição da dor causada pelas disfunções temporomandibulares, as DTMs. O trabalho foi premiado como melhor painel da categoria apresentado durante a 21ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Pesquisa Odontológica (SBPqO), divisão brasileira da International Association Dental Research.

Essas disfunções podem afetar a musculatura responsável pela mastigação, a articulação temporomandibular (ATM) - utilizada para abrir e fechar a boca ou deslocar a mandíbula - e as demais estruturas da face, boca e até o pescoço. Estudos mostram percentuais entre 50% e 60% da população com algum sinal ligado à DTM. Destes, em torno de 10% apresentam sintomas mais severos e buscam tratamento. Os principais sintomas são dor muscular, dor articular das ATMs, limitação dos movimentos mandibulares, travamentos da mandíbula, dificuldades de abrir e fechar a boca, ruídos articulares (estalos), dor de ouvido e cefaléia.
O laser aumenta a tolerância à dor pois provoca `mudanças no potencial da membrana celular, dilatação dos vasos, redução do inchaço, aceleração da atividade intracelular e atuação no processo de cicatrização`, explica Renata.

A dentista tratou e acompanhou a evolução de 60 pacientes do Serviço de Oclusão e Distúrbios da Articulação Temporomandibular (SODAT) da FORP. Todos apresentavam queixas de dor na região da articulação localizada pouco antes do ouvido. Foram separados em seis grupos de 10 pessoas e submetidos a duas sessões semanais de aplicação do laser na região da ATM durante quatro semanas.

Os resultados mostraram que as aplicações do laser de baixa intensidade diminuíram a dor nesses pacientes. As melhores respostas vieram daqueles que receberam a dose maior - 80% de diminuição de dor contra 50% do outro grupo. Renata explica que chegaram a esses números, principalmente, medindo a amplitude dos movimentos da mandíbula. Esses movimentos são realizados naturalmente ao mastigar, falar e deglutir, mas comprometidos nas pessoas que sofrem com as DTMs. Além da melhora nos movimentos, os pacientes também apresentaram menor ou ausência de dor quando da apalpação da região da articulação.
Apesar da utilização do laser nas ATMs ser muito recente, a dentista afirma que ele é eficaz e tem grande utilidade para tratar esses sintomas dolorosos devido a seus comprovados efeitos analgésicos, antiinflamatórios e de biomodulação`. Outra característica positiva dessa terapia é que ela não apresenta efeito colateral. Para aplicação desse tipo de laser é necessário apenas uso de óculos especiais de proteção à retina.

ABN - Agencia Brasileira de Notícias


Leia mais...
|

Contaminação de escovas dentais


As escovas dentais apresentam-se contaminadas por microrganismos?

As escovas dentais, após serem utilizadas para a higiene bucal uma única vez, por 1 a 4 minutos, e armazenadas em condições usuais, podem se tornar contaminadas por diferentes tipos de bactérias, inclusive estreptococos do grupo mutans (microrganismos causadores da doença cárie), vírus, leveduras, parasitas intestinais, provenientes da cavidade bucal ou do meio ambiente. Pode haver contato entre escovas de diferentes membros da família nos recipientes sobre a pia ou nos armários de banheiro. Também, torna-se muito difícil o controle da ocorrência de contato salivar entre indivíduos em ambientes como creches, pré-escolas e outras instituições que abrigam crianças de idade precoce, podendo a escova ser trocada e/ou compartilhada inadvertidamente. Dessa forma, sua desinfecção deve ser efetuada.

Como deve ser efetuada a desinfecção das escovas dentais após sua utilização?

A melhor opção é lavar a escova após seu uso, remover o excesso de água e borrifar um anti-séptico acondicionado em frasco spray (adquirido em farmácias de manipulação) em todas as direções da cabeça das escovas, particularmente nas cerdas. Em seguida, a escova pode ser guardada no armário do banheiro. Antes da próxima escovação, a escova deve ser lavada em água corrente. Após a escovação, não secar a escova com toalha de banho ou de rosto, pois isso pode aumentar ainda mais a contaminação. O excesso de água deve ser removido por meio de batidas da escova na borda da pia do banheiro. Essa é uma forma prática e econômica de se efetuar a desinfecção das escovas, uma vez que o mesmo frasco para guardá-las pode ser utilizado por todos os membros da família.

Quais substâncias devem ser empregadas para a desinfecção das escovas?

O gluconato de clorexidina a 0,12% e o cloreto de cetilpiridínio a 0,05% são eficazes na eliminação dos estreptococos do grupo mutans das cerdas das escovas dentais.

Como deve ser acondicionada a escova dental?

Não há que se reprovar a iniciativa da indústria, que desenvolveu modelos de escovas dentais que vêm acompanhadas de um estojo para proteger as cerdas, pois ele é útil quando guardamos as escovas na bolsa, por exemplo, evitando o seu contato com dinheiro, carteira etc. Porém, no dia-a-dia, a escova deve ser conservada em local seco, após a desinfecção com anti-séptico. Alguns estudos comprovaram que escovas dentais que permanecem fora do armário no toalete podem ser infectadas por coliformes fecais. Isso ocorre porque microrganismos como os coliformes fecais, presentes no aerossol que se forma após a descarga, podem depositar-se nas cerdas da escova sobre a pia do banheiro e proliferar. Dessa forma, após a desinfecção, as escovas devem ser guardadas no armário do banheiro.

O tipo de dentifrício empregado durante a escovação influencia a contaminação das escovas dentais por microrganismos?

A contaminação microbiana das cerdas das escovas dentais sofre a influência de inúmeros fatores, destacando-se o tipo de dentifrício, que pode conter agentes antimicrobianos como o flúor ou o triclosan, os quais ocasionam uma redução dessa contaminação. O uso de dentifrício contendo triclosan reduz em até 60% a contaminação bacteriana por estreptococos do grupo mutans, enquanto o dentifrício fluoretado reduz a contaminação em, aproximadamente, 23%.

Qual o período de vida útil de uma escova?

As escovas dentais devem ser trocadas freqüentemente: indivíduos sadios devem trocar suas escovas a cada 3 a 4 meses; indivíduos com gripe ou outras doenças infecciosas devem trocá-las no início e após a cura; indivíduos que sofreram quimioterapia ou que são imunodeprimidos devem trocá-las a cada 2 dias; e indivíduos que sofreram grandes cirurgias devem trocá-las diariamente. No entanto, essa alta freqüência de troca de escovas é inviável, sendo satisfatório um tempo de 3 a 4 meses, desde que as escovas sejam submetidas à desinfecção diariamente.

Qual o protocolo indicado para a higienização das escovas dentais?

Para o controle diário da contaminação das escovas dentais, é importante que, previamente à escovação, seja efetuada a lavagem das mãos. Após a realização da escovação, a escova deve ser adequadamente lavada em água corrente e deve ser realizada a remoção do excesso de umidade. Em seguida, deve-se borrifar sobre a cabeça da escova, particularmente sobre as cerdas, um antimicrobiano sob a forma de spray, sendo a escova mantida, então, em local fechado. Previamente à próxima utilização, a escova deve ser adequadamente lavada em água corrente. O impacto dessas medidas sobre a saúde bucal é ainda desconhecido. 
Leia mais...
|

Pirâmide odontológica: a dinâmica da prevenção


O que posso fazer para ter uma boa saúde bucal?

Hábitos alimentares adequados, freqüência e qualidade da higienização, utilização de fatores de proteção específica e ausência de fatores de risco são necessários para se ter uma boa saúde bucal, como vemos na pirâmide odontológica.


Como a alimentação pode interferir nas doenças da boca?

A cárie é uma das doenças bucais mais observadas, que se desenvolve a partir de dentes susceptíveis, associados a um consumo muito alto de alimentos açucarados e também ao número de vezes por dia que se consome esse tipo de alimento. Portanto, doces, balas, pirulitos, refrigerantes e bolachas recheadas estão no topo da pirâmide, em fundo vermelho, pois devem ter o seu consumo restrito.

Por que a chupeta e a mamadeira estão também na área vermelha?

Porque seu uso também deve ser restrito, principalmente em crianças maiores, pois podem ocasionar alterações em seus dentes e na sua mordida.

E o flúor não faz bem para os dentes?

A utilização do flúor deve ser feita por pacientes que têm um risco maior para cáries. Deve ser prescrito pelo dentista, pois é um medicamento e precisa ser indicado por um profissional.

O creme dental não pode ser utilizado por todos à vontade?

Não, o creme dental deve ser evitado por crianças que não conseguem cuspir, pois a maioria deles contém flúor em grande quantidade e, se ingerido por menores de 6 anos, pode causar problemas na formação dos dentes (fluorose). Portanto, seu uso deve ser monitorado.

Quais são as condições de dieta, hábitos de higiene e consumo que estão liberadas?

As situações contidas na base da pirâmide, em fundo verde, estão liberadas: aleitamento materno, uso de escova dental, água fluoretada, uso de fio dental, uso de prótese bem adaptada, bem como a ingestão de alimentos energéticos e reguladores.

Por que os alimentos estão divididos na pirâmide?

Esta é uma pirâmide nutricional adaptada, onde vemos que os alimentos da base são os que devem ser ingeridos em maior quantidade, seguidos dos alimentos do segundo andar, em amarelo, que são as proteínas, leites e derivados, e, finalmente, no pico da pirâmide estão os óleos, as frituras e os açúcares, que devem ser consumidos em quantidade ainda menor, para que assim possamos ter uma alimentação saudável e, ao mesmo tempo, evitar doenças bucais.

Quais seriam as situações proibitivas?

O consumo excessivo de bebidas alcoólicas, o fumo, a utilização de próteses fraturadas ou mal adaptadas, bem como dentes com sintomatologia dolorosa precisam ser evitados, pois podem ocasionar doenças da gengiva e câncer bucal.

Temos que ter horário para tudo?

Sim, a questão do horário é muito importante, pois devemos acostumar as crianças desde pequenas a terem horário para as refeições e a higienização da boca. Os hábitos regulares adquiridos serão incorporados pela família por toda a vida. É importante que os pais dêem o exemplo de uma vida mais saudável aos filhos, com bocas bem cuidadas e sorrisos naturais.
Leia mais...